Indiz

Indiz? In…diz. In de dentro, de incluso, aquilo que se diz. A Indiz é uma empresa pioneira, a primeira em Portugal a aplicar técnicas de semiótica para compreender campanhas de publicidade, marcas, lojas e notícias.

Primeiro as mensagens. As marcas são mensagens antes de serem percepções na mente dos consumidores. Os comunicólogos possuem técnicas para abrirem as mensagens. Invista noutras especialidades e dê primazia às mensagens.

O fundo é o fundamental. Coloque o fundo na frente. Deixe de pensar na figura e passe a considerar o pano de fundo, o que está por detrás do notório. Trate a cultura como a fonte dos pequenos significados da sua marca.

Junte os pontos de diferentes fontes e entenda a cultura. Os livros, os jornais, os programas de televisão, a publicidade, as lojas, eventos, filmes, celebridades e publicações nas redes sociais, tal como montras e merchandising são recursos a analisar. Veja a linguagem como a chave. A chave para as melhores decisões.

O contexto é o tema principal.

O contexto é a lente através da qual se compreende a realidade. Deixe de ver a cultura como uma moldura, que apenas rodeia. Encare a cultura como algo que molda. Molda o consumo, as práticas e os hábitos. Analise a sua comunicação dentro do contexto e obterá saliência cultural.

Para inovar coloque novas perguntas. Os indicadores habituais, as perguntas e as abordagens conhecidas dão conclusões semelhantes. Coloque questões novas - de disciplinas como a semiótica, a antropologia, a linguística, a teoria da arquitetura e a sociologia - e sairá do molde.

A Indiz oferece serviços em qualquer uma das etapas de gestão de marcas.

Pesquisa, segmentação de mercado, posicionamento de marca, estratégia criativa, concepção de produto, de nome, identidade visual, embalagens, merchandising e lojas.

Compram-se significados quando se compram objectos e serviços.

Entenda ao detalhe como ganham forma os significados da sua marca e desenhe comunicação que surja como autêntica.

Coloque perguntas diferentes.

A próxima campanha tem boa inteligibilidade? É clara?
Existe coerência entre a marca, a publicidade, o merchandising e as embalagens?
A comunicação é persuasiva?
Veicula as mensagens desejadas?
Possui riqueza narrativa? A minha marca é uma boa história?
A posição de significação é diferente da utilizada pela concorrência?
Quais são os códigos emergentes aos quais devo estar atento?
As peças apelam aos sentidos?
Porquê o sucesso da comunicação do meu concorrente?

Como posso potenciar os percursos na minha loja?
Quais serão as áreas de maior movimento?
Qual a melhor localização para o meu novo ponto de venda?
Quais as melhores localizações para ações promocionais num conjunto de lojas?
Qual é o simbolismo dos espaços?
Quais são as mensagens arquitetónicas mais adequadas para expressar o discurso da minha marca?
Qual será a vivencialidade das diferentes áreas?
Como posso convidar os clientes a deambularem pelos meus pontos de retalho?
Qual a melhor forma de apresentar o meu produto?
As diferentes áreas são fluídas? As zonas são bem articuladas e permeáveis?

Aceda às diferentes linguagens. O dito, com palavras, é importante. Mas o dito das imagens, da arquitectura, dos objectos e dos sons também diz muito aos consumidores. Interprete as imagens. Analise os sons de um anúncio. Aceda à linguagem dos objectos e espaços da sua marca.

Fique no dito. Reestruture a linguagem da sua marca, sem nunca sair daquilo que se diz para decidir o que dirá e como será dito.

“Ouça” o espaço para ouvir como o layout diz “páre”, “ande depressa”, “permaneça” e “vire aqui”. Os trajectos dos clientes nas lojas são uma forma de diálogo. A partir da linguagem dos passos e das paragens, dos desvios e dos regressos, modifique a configuração da loja ou a colocação das promoções.

Desvende os estímulos que configuram as diferentes gerações.

Os padrões de comportamento dos consumidores são moldados pelos media,
influenciados por celebridades e desenhados pela publicidade.
Estude as influências sobre os consumidores e aceda ao “como é suposto ser”.
Entenda como cada geração se define a partir da mundivisão gerada pelos meios visuais.

Dê importância à interpretabilidade da comunicação.
Desvende o implícito e chegará ao fundamental sobre a sua marca
e aos significados que os consumidores preferem comprar.

A criatividade é repetição.

A criatividade é do foro técnico. Sistematize a criatividade.

A gramática é criativa. Compreenda a gramática das mensagens do seu mercado e obterá controlo sobre o que veicula e a capacidade de inovar no que diz.

As marcas “re-criam” valores e histórias culturais. Caminhe dentro do caminho.

As marcas citam.

Opte por criatividade não arbitrária, escolha criatividade fundamentada, avaliada e estruturada.

Seja incongruente. Procure paradoxos pertinentes para o seu mercado.

Áreas de atividade dos nossos clientes.

Telecomunicações
Banca/Setor financeiro

Grande distribuição
FMCG

Setor público
Promotores de centros comerciais

Rua da Moeda, nº 1, 1º andar, sala 3
1200-275 Lisboa
+351 218 888 112